Share

Conheça as dez ações que contribuem para a coleta correta do lixo

Em comemoração ao Dia Mundial do Meio Ambiente, 5 de junho, a Loga – Logística Ambiental de São Paulo, responsável pela coleta, tratamento e destinação correta dos resíduos sólidos e de saúde na Região Noroeste da capital paulista, divulga uma lista de 10 procedimentos e atitudes que cada cidadão pode e deve adotar para contribuir com a coleta de resíduos:

  1. O saco de lixo deve ser colocado na calçada duas horas antes da passagem do caminhão da Loga.
  2. Se o caminhão passa à noite, o saco pode ser deixado na calçada a partir das 18 horas.
  3. O saco plástico de resíduos colocado sobre o portão, na rua ou sobre muretas, dificulta a coleta e frequentemente arrebenta, causando sujeira. O correto é deixá-lo na calçada ou em um lugar de fácil acesso para o coletor e fora do alcance de animais.
  4. Os resíduos não podem ficar descobertos se forem colocados na rua fora do horário de coleta, ficando expostos à chuva, ao sol e à manipulação de animais. 
  5. Utilize um saco exclusivo para descartar os resíduos comuns.
  6. Aproveite bem o saco, mas não o encha até a boca. Deixe um espaço para que ele possa ser amarrado com firmeza.
  7. Antes de descartar o resíduo, remova o excesso de água e de outros líquidos.
  8. Embrulhe os cacos de vidros, lâmpadas quebradas ou objetos pontiagudos em folhas de jornais e sinalize para o coletor escrevendo “vidro”, antes de descartá-los. Isso evitará acidentes durante o manuseio e no transporte do saco. 
  9. Use o bom senso. Para colaborar com o trabalho dos coletores, quando os sacos estiverem muito pesados, divida-os em embalagens plásticas resistentes.
  10. No trânsito, colabore com o trabalho dos coletores, evitando pressionar a passagem quando o caminhão da Loga estiver na frente, tendo cuidado com o movimento dos coletores, evitando acidentes e respeitando o seu trabalho. 

O presidente da empresa, Valnei Souza Nunes, destaca: “A primeira e mais importante atitude é não sujar e não atirar resíduos, papéis, latas de refrigerantes, garrafas, embalagens e entulhos nas ruas, terrenos baldios e praças”, ressalta o presidente da empresa. Ele lembra que o sistema de coleta em São Paulo é muito estruturado e atende bem à demanda. “Não há por que atirar objetos nos logradouros públicos ou em espaços comuns de condomínios. Uma postura de cidadania e respeito ao direito de todos a um meio ambiente saudável é uma grande contribuição à qualidade da vida urbana”, afirma o presidente. 

Coleta seletiva

“A coleta seletiva é outro avanço para o meio ambiente, pois contribui para a reciclagem e reaproveitamento de numerosos materiais, incluindo o plástico, cujo descarte na natureza e nos oceanos representa um grande dano para os ecossistemas”, enfatiza Valnei Souza Nunes, orientando: “É possível informar-se sobre a coleta seletiva de lixo pela internet, acessando o Movimento Recicla Sampa (www.reciclasampa.com.br). Neste site há informações sobre os dias e horários da coleta, além de vídeos, tutoriais, jogos, materiais para impressão, reportagens e entrevistas para orientar e informar os cidadãos a respeito da relevância da reciclagem”.

O Movimento Recicla Sampa visa ampliar a coleta seletiva na cidade de São Paulo. Trata-se de parceria entre a Loga e a EcoUrbis, concessionárias de limpeza urbana, com apoio institucional da Autoridade Municipal de Limpeza Urbana (Amlurb). A meta é reduzir em 500 mil toneladas de resíduos enviados aos aterros sanitários municipais durante quatro anos, conforme o Plano de Metas da Prefeitura de São Paulo para 2020.

Diariamente, o município produz, em média, 12 mil toneladas de lixo domiciliar. Por ano, são gerados mais de 3,6 milhões de toneladas de resíduos. Esses números colocam a cidade no topo do ranking das que mais geram lixo no País. O volume poderia cobrir até 53 metros de altura de toda a Avenida Paulista. Apenas 7% dos resíduos coletados são reciclados. Porém, tecnicamente 40% do lixo poderiam passar por esse procedimento.

A coleta seletiva é um sistema de recolhimento de materiais como papéis, plásticos, vidros e metais, que podem ser reutilizados ou reciclados. O reaproveitamento proporciona economia de matéria-prima, minimiza a quantidade de resíduos que seriam depositados no aterro sanitário e contribui para o desenvolvimento sustentável.

Números da Loga

A Loga opera durante 24 horas, sete dias por semana e 365 dias por ano, coletando, diariamente, cerca de seis mil toneladas de resíduos, provenientes de 1,6 milhão de domicílios, hospitais, clínicas e similares. A empresa, responsável pela Região Noroeste da cidade de São Paulo, atende sete milhões de habitantes (incluída a população flutuante). Mais de dois mil colaboradores atuam nas áreas de administração, logística, meio ambiente, segurança e operação.

A frota da empresa tem 300 equipamentos, dentre os quais caminhões especiais para a coleta domiciliar, seletiva e dos resíduos dos serviços de saúde, equipamentos para coleta mecanizada de superfície e subterrânea, veículos e equipamentos de socorro, automóveis e caminhões de apoio, fiscalização e controle de qualidade. Há, ainda, equipamentos utilizados nos aterros sanitários, na Estação de Transbordo, Central Mecanizada de Triagem e tratamento de resíduos.

Deixe seu Comentário